A glimpse at Portugal’s Energy Path (EN / PT)

The International Energy Agency (IEA) recently released the Evaluation report about Portugal and its Energy Policy performance. The present article summarizes this document, focusing on the overall performance and the future steps suggested by the EIA.

Portugal is a leader and a pioneer when it comes to renewable energy and energy efficiency matters. Recent data from the International Energy Agency shows that 61% of the electricity consumed in 2014 came from renewable sources, mostly from hydro and Eolic power plants. Nevertheless, Portugal lacks fossil fuels, such as coal, oil or gas, the raw materials that compose the remaining 39% of the country’s energy mix. This means that the dependency on fossil fuels costs the country between 8 and 10 billion €, figures that have to decrease to achieve the 2020 goals.

Electricity

Portugal generated in 2014, 52 TWh of electricity, which more than half came from renewable sources putting this small country in the top five of the IEA member countries with more renewable share in energy mix.

grafico18

The main success driver for this incredible achievement in the path towards reducing fossil fuel dependency was the growth of wind power, which increased from an installed capacity of only 1 063 MW in 2005 to 4 726 MW in 2013, and the projected forecast (in order to achieve the UE energy targets) is to reach 5 300 MW by 2020.

However, counterintuitive as it may seem, this revolution in the Portuguese energy mix, alongside the governmental incentives to implement other renewable technologies like solar, biomass and oceanic waves, ends up being highly costly for the final consumer, once the feed-in tariffs systems ended up showing the electricity bill.

The effect over the tariff deficit

Tariff deficit are shortfalls of revenues in the electricity system that arise when the tariffs for the regulated components of the retail electricity price are undervalued by the energy companies. In 2014, the accumulated Portuguese tariff deficit corresponded to 3.1% of the GDP with an amount, roughly 4.69billion €, of which the subsidies to the renewable electricity played a significant role.

The Portuguese tariff deficit escalated in 2007/2008 due to the mismatch between the wholesale electricity price and the real price. In 2008 the implied wholesale price was set at 50 €/MWh and the real price was    73 €/MWh. In 2009, thanks to the influence of the renewable generation, the prices returned to lower levels, preventing a tariff deficit.

However, the great support to both renewable energy and legacy energy sources (in particular the thermal electricity generation), through subsidies under a “special regime” contributed for the rise of the tariff after 2012. These subsidies also include power guarantee incentives and the compensation for the early termination of former long-term power purchase agreements (CMEC).

grafico210

The goal of the Portuguese government was to eliminate the regulated tariffs by the end of 2017. However, this intention was discard pointing for 2020 as a new limit. To achieve that, the first package of measures was introduced in 2012, concentrated on feed-in tariffs in wind-power generation and small hydric plants, on feed-in tariffs and conditions for co-generation, on revision of investment incentives for hydropower (power guarantee) and on renegotiation of specific elements of the CMEC scheme. The expected savings with this first package of measures were 2 billion of Euros by 2020.

A second package was proposed in 2013, which, together with the previous package, was projected to reduce the debt by 2020 in 700 million Euros more. Most of the measures suggested in this package were focus on renewable energy supply, including a modification of the remuneration regime for public domain hydro terrains.

A third package was proposed in 2014 aiming for an additional contribution of the debt payment in 50 million euros. This package was focused on competitiveness improvement, and balance of economical distribution surplus between different stakeholders. From this package born the idea of the Iberian gas market, the MIBGAS, which initiated its activity in late 2015 in order to progress towards a more oil independent energy markets as well has bring more transparency to the gas contracts in the Iberian Peninsula.

In spite of all the measures and actions taken by Portugal to eradicate the tariff deficit, the IFM doubts that all the measures are sufficient to achieve that objective.

Boarder-Interconnection Framework

Portugal, alongside Spain, forms the best region to invest and produce electricity from renewable sources, especially from wind and solar. However, the Iberian Peninsula is far from the large consumption centers in Central West Europe and, due to a deficient interconnection with the rest of Europe, only 2.4% of total capacity is connected to France. To achieve the European targets, joint efforts between Portugal and Spain and between Spain and France have to be made in order to grow from the current level to 10% by the of 2020 and 20% in 2030.

Locally, Portugal and Spain exchange capacity is set at 2.6 GW which will increase to 3 GW during by the end of 2017, this interconnection improvement, sideway with the common Iberian electricity market (MIBEL), allows the price coupling between countries more than 85% of the times, approaching the European energy market prices.

In March 2015 was signed the Madrid Declaration, in Madrid, where a pact was signed between Portugal, Spain, France and the president of the European Commission to highly prioritize the need of new and urgent interconnections projects to cut the distance between the Iberian Peninsula and its renewable energy potential and the major energy consumers European countries. This achievement can lower the energy prices as well as cut the energy fossil power plants used as backup plants, consequently, decreasing the dependency on carbon, gas and coal.

From the Madrid Declaration, June of 2015 was signed a memorandum added to the Declaration to create a High-Level Group for South-West Europe interconnections. From this summit, a new interconnection appeared which is already at the implementation phase, and will increase from 2.8 GW to 5GW the interconnection capacity of the Western Interconnection. Besides this project, two more projects were presented to the EU by this consortium, one connecting País Basco or Navarra in Spain and Cantergit in France and one between the Spanish region Aragón and Marsillón in France. The goal is to achieve 8 GW of capacity by 2020.

Main Suggestions

It is unquestionable the effort made by Portugal to achieve and surpass the European Union Energy goals for 2020. The numbers of renewable sources in the energy mix and the reduction in the CO2 emissions puts Portugal in the TOP ten more energy sustainable countries of Europe. However, this achievement had a costly impact in the country’s economy and, more important, in the population lifestyle.

The lack of a sustainable plan and a bad management of the investments allocated to the energy sector in the early 2000s, led to a problematic situation once that, an increase of consumption from renewable energy in the country, contributes for a rise in the regulated tariff, since part of the tariff paid by final consumers is used to pay the energy producers in the special regime. On the other hand, more use of renewable energy implicates a less cost of fossil fuels imports like gas and coal.

Other problematic situation is the contracts between the government and ordinary regime suppliers like the CMEC contracts. Those contracts obligate the government to pay all the earnings those suppliers in this situation lost by entering in the free energy market. Those earnings are inserted in the regulated tariff of the years after, until the end of those CMEC contracts which will cease part in 2021 and part in 2026.

The main suggestions highlighted by the International Energy Agency are:

· Ensure that the new deadline for the phase-out of regulated tariffs is maintained and guarantee the access of all costumers to the liberalized market.

· Keep joining forces and develop a key transmission infrastructure, to foster a market integration and allow that renewable energy surplus can reach the bigger energy consumer markets in Europe.

· Supervise and adjust the new renewable energy power installations, especially wind power plants to avoid unnecessary over capacity in the system already oversized.

· Ensure the implementation of all measures to eliminate the tariff deficit by 2020 and continue to identify further potential cost-saving measures in the energy sector.

· The suggestions made by IEA intend to ensure that all the goals set for 2020 and 2030 are achieved. However, the Portuguese government has to be really careful and certain about the next steps in order to minimize the impact of the consumer contribution as well as to assure a future less dependent in fossil fuels.

Author: Jorge Sousa Seabra | Energy Procurement Consultant.

_________________________________________________________________

[versão em portugues]

A Agência Internacional de Energia (AIE) publicou recentemente o seu relatório de avaliação sobre Portugal e o seu desempenho a nível de política energética. Este artigo tenta resumir esse documento, enfatizando o desempenho global e os próximos passos sugeridos pela AIE.

Portugal é um líder e um dos pioneiros em temas relacionados com as energias renováveis e a eficiência energética. Dados recolhidos recentemente pela Agência Internacional de Energia mostram que 61% da eletricidade consumida no país em 2014 teve origem renovável, principalmente proveniente de hidroelétricas e parques eólicos. Não obstante, Portugal carece de combustíveis fósseis, tais como carvão, crude ou gás, matérias-primas que completam o restante mix energético do país. Isto confere uma dependência nestes combustíveis de origem não renovável com custos anuais entre 8 a 10 mil milhões de euros, números que terão que diminuir de forma a serem alcançados os objetivos do Horizonte 2020.

Eletricidade

Em 2014 Portugal gerou 52 TWh de eletricidade, dos quais mais de metade teve origem renovável, colocando este pequeno país no Top cinco dos países membros da AIE com maior participação de energias renováveis no mix energético.

grafico18

O principal fator de sucesso para este incrível desempenho em direção à redução da dependência de combustíveis fósseis foi o crescimento no setor eólico, onde se registou um aumento de 1 063 MW em 2005 para 4 726 MW em 2013, e estão ainda planeados mais projetos para alcançar os objetivos do 2020, registando uma capacidade de 5 300 MW,

No entanto, e por mais que possa parecer contraintuitivo, a revolução do mix energético português, a par dos incentivos do governo para fomentar a implementação de outras tecnologias verdes como solar, biomassa e das ondas, acabaram por prejudicar imenso o consumidor final, uma vez que os sistemas de tarifas feed-in acabaram por ser incluídas nas faturas de eletricidade.

O efeito sobre o deficit tarifário

O deficit tarifário surge de lacunas nas receitas do sistema elétrico quando as tarifas reguladas do preço marginal de eletricidade é subvalorizado pelas companhias elétricas. Em 2014, o deficit tarifário correspondeu a 3.1% do PIB nacional, respeitando uma quantia de 4.69 biliões de Euros, dos quais os subsídios para eletricidade de fontes renováveis teve um papel significativo.

O deficit tarifário aumentou abruptamente em 2007/2008 devido à diferença entre o preço estipulado para a eletricidade e o seu preço real. Em 2008, o preço estipulado pelo governo, segundo previsões e estudos, foi de 50 €/MWh e o custo real da eletricidade para esse ano foi de 73 €/MWh. Em 2009, os preços de eletricidade voltaram a corrigir-se, evitando a existência do deficit tarifário.

Não obstante, o apoio às energias renováveis e centrais de cogeração através de subsídios de “Regime Especial”, contribuiu para o aumento do deficit tarifário em 2012. Estes subsídios também incluem garantias de potência e a compensação dos contratos de Custo de Manutenção de Equilíbrio Contratual (CMEC).

grafico2101

O objetivo do governo português passava pela eliminação da tarifa regulada até ao fim de 2017. No entanto, esta intenção foi descartada, apontando 2020 como a nova data limite. Para atingir esta meta, um primeiro pacote de medidas foi introduzido em 2012, concentrando-se nas tarifas feed-in da geração eólica e das mini-hídricas, nas tarifas feed-in e condições para as fábricas de cogeração, na revisão dos incentivos para as garantias de potência e na renegociação dos contratos CMEC. Este primeiro pacote estimava reduzir a dívida em 2 biliões de euros em 2020.

Um segundo pacote de medidas foi proposto em 2013, que, juntamente com o primeiro, projetava uma redução em 2020 de 2.700 biliões de Euros. A maioria das medidas previstas neste pacote focavam-se na modificação do regime público de domínio dos terrenos das centrais hidroelétricas.

Um terceiro pacote de medidas foi ainda lançado em 2014 para reduzir em 50 milhões de euros a dívida tarifária. Este pacote centrava-se no melhoramento da competitividade e no equilíbrio da distribuição económica dos excendentários entre os diferentes investidores. Deste pacote nasceu a ideia de criar um mercado ibérico de gás, o MIBGAS, que iniciou o seu funcionamento no fim de 2015. Foi mais um passo importante a nível peninsular em busca de um futuro mais independente de petróleo e também em prol de maior transparência nos contratos de gás efetuados na Península Ibérica.

Apesar de todas as medidas e ações tomadas por Portugal, o FMI duvida que as mesmas sejam suficientes para eliminar a tarifa regulada até 2020.

Panorama das interconexões

Portugal, juntamente com Espanha, são a melhor região europeia para investir e produzir eletricidade de origem renovável, especialmente de aproveitamento solar e eólico. No entanto, a Península Ibérica situa-se longe dos centros de grande consumo do Centro Oeste Europeu e, devido a uma interconexão deficiente com o resto da Europa, somente 2,4% da capacidade total instalada está ligada a França. Para cumprir com os objetivos da União Europeia, esforços conjuntos entre Portugal e Espanha e entre Espanha e França têm que ser feitos para aumentar a capacidade de interconexão até 10% em 2020 e até 20% em 2030.

A nível peninsular, Portugal e Espanha possuem uma capacidade de transação de 2.6 GW, capacidade que aumentará para os 3GW até ao fim de 2017. Esta capacidade de interconexão, juntamente com a existência de um mercado único a nível ibérico de eletricidade (o MIBEL), permite que o preço diário de eletricidade seja o mesmo nos dois países em 85% das vezes, e mantendo um valor próximo dos restantes mercados europeus.

Em Março de 2015 foi assinada em Madrid a Declaração de Madrid, tratado entre Portugal, Espanha, França e o Presidente da Comissão Europeia, estabelecido para priorizar a necessidade e a urgência de implementar novos projetos de interconexão para diminuir a distância entre a Península Ibérica e o seu enorme potencial renovável dos países da Europa Central. Esta conquista poderá diminuir os preços de eletricidade assim como diminuir o número de centrais de combustíveis fosseis usadas como backup e, consequentemente, diminuir a dependência de carvão, gás e crude.

Depois da Declaração de Madrid, foi assinado em Junho de 2015 um memorando assinalando a criação de um grupo dedicado às interconexões do Sudoeste Europeu. Desde a sua criação, surgiram vários projetos, estando um deles já em fase de implementação, que elevará a capacidade de interconexão de 2.8 GW para 5 GW e foi denominada de Western Interconnection. Além deste projeto, outros dois projetos foram apresentados à UE por este consórcio, um ligando o País Basco ou Navarra (ambos em Espanha) a Cantergit em França e outro entre a região espanhola de Aragão e Marsillón em França. O objetivo é alcançar a capacidade de 8 GW até 2020.

Sugestões

É inquestionável o esforço efetuado por Portugal para alcançar e ultrapassar os objetivos estabelecidos pela União Europeia para 2020. A quantidade de energia renovável no mix energético nacional e a redução de emissões de CO2 coloca Portugal no TOP 10 dos países mais energeticamente sustentáveis da Europa. Não obstante, alcançar este patamar teve um impacto na economia nacional e, mais grave, no nível de vida da população.

A ausência de um plano sustentável e a má gestão dos investimentos autorizados levaram a que o setor energético chegasse a uma situação problemática no princípio dos anos 2000, uma vez que o aumento do investimento e consumo de energias renováveis contribuiu para o aumento das tarifas reguladas da eletricidade, já que parte da tarifa paga pelos consumidores é utilizada para pagar aos produtores sobre o regime especial. Por outro lado, um maior uso de energia renovável levou a uma diminuição nas importações de combustíveis fósseis.

Outra situação problemática resulta dos contratos entre o governo e os produtores de energia sobre o regime ordinário como os contratos CMEM. Estes contratos obrigam o Estado a pagar os lucros que os produtores teriam sobres os mesmos caso não existisse um mercado liberalizado. Estes lucros são inseridos na tarifa regulada nos anos seguintes, até que estes contratos CMEC terminem a sua validade, que serão alguns em 2021 e outros em 2026.

A Agência Internacional de Energia mencionou as seguintes sugestões:

· Garantir que é cumprida a nova deadline para eliminar a tarifa regulada, garantindo a todos os consumidores o acesso ao mercado liberalizado.

· Continuar com o desenvolvimento de transmissões e infraestruturas, para garantir uma maior integração nos mercados e permitir que os excessos de produção renovável possam chegar os mercados onde existam necessidades energéticas.

· Supervisionar e ajustar a implementação de novas instalações de energia renovável, especialmente no setor eólico para evitar a sobre-capacidade num sistema elétrico já sobre-capacitado.

· Assegurar a implementação de todas as medidas definidas para eliminar o deficit tarifário até 2020 e continuar a identificar potenciais medidas de poupanças no setor energético.

As sugestões feitas pela AIE têm a intenção de assegurar que os objetivos de 2020 e 2030 são cumpridos. Para tal, o governo português terá que ser cauteloso e seguro sobre os próximos passos a tomar para minimizar o impacto no consumidor assim como assegurar um futuro mais sustentável e independente de combustíveis fósseis.

Author: Jorge Sousa Seabra | Energy Procurement Consultant.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s